EM MEMÓRIA DE UM DESCONHECIDO

Paulo, tinha alcunha para os amigos de adolescência e era Gué para a família, Português, nascido a 19 de Dezembro de 1974 em Anadia, distrito de Aveiro.

Autor de uma vida cheia de trambolhões,  Atribulada e um exemplo de vida e aprendizagem tremenda! Da sua infância e juventude tinha muito por contar. Na realidade Paulo sempre manteve o menino que havia dentro de si.

Criado e crescido de uma maneira diferente, sem muita atenção do que realmente precisava, Gué muito novo entregou-se aos maus caminhos da vida, o caminho mais fácil, começando por experimentar e não conseguir mais de lá sair.

Fez muita asneira do qual não se orgulhava, entre furtar a sua própria família para sustentar o seu vício. Na verdade Paulo nunca fez mal a ninguém, a não ser a  ele mesmo! Tinha uma ternura no olhar ao qual todos se rendiam! Toda agente gostava de Gué pela sua educação e olhar de menino sempre de sorriso no rosto. Era doce, tão doce que metia dó de não se deixar ajudar. Não por tentativas sem conta da sua família! Aos 19 anos é preso por uma pequena posse de “veneno”. Mais tarde transferido para outra cadeia onde fica alguns tempos, Paulo não matou ninguém! A não ser estar a matar-se a si próprio, mas sofreu lá dentro como um criminoso assassino. ”Apanhou” muito, mesmo assim ergueu-se , continuou seus estudos que tinha parado cedo demais! Com orgulho recebeu medalha de melhor comportamento, aprendeu uma profissão, aprendeu a gostar do seu corpo e começou  a praticar ginásio. Foi lhe dada “ordem” de visitas fora do estabelecimento prisional, mas um dia Paulo por motivos desconhecidos fraquejou e voltou ao vício! Gué descarrilou, e os seus pior inimigos eram os guardas, ficou “endividado” para com eles e um dia a sentença deles chegou, PAGAR OU MORRER! Numa precária Paulo não voltou! Desapareceu do mapa!

Mais tarde,  sua família descobre que ele apenas estava com medo! Paulo era um menino com muito medo! Deu entrada num centro de desintoxicação em Espanha. Estava desaparecido, ninguém sabia dele. Lutou por ser uma pessoa melhor, fez amizades no centro de acolhimento, e após tentativas sem conta em Portugal para se curar, conseguiu! Em Espanha encontra o amor, a sua namorada Croata do qual se apaixonou cegamente e o ajudou a olhar para vida com mais cor, encontrou a força de viver sem descarrilar de novo! Encontrou o conforto dele. Há muito tempo que se sentia sozinho.  Paulo é pai, mas a vida trama-o em 2001, quando entra em coma profundo do qual lhe é diagnosticado alguns problemas de saúde, o que faz com que perdesse as defesas facilmente.

Quando a vida não tem mais nada para lhe oferecer, ele acorda, levanta-se e vai à luta ! Agora a sua vida seria a sua namorada e filha, lutar para lhes dar uma vida digna, uma infância que nunca teve e mostrar a si mesmo que ainda tinha muito para viver. Com a ajuda de bons amigos  arranja emprego , viveu em quartos como um emigrante trabalhador, conseguiu emprego digno e teve algumas profissões do qual se orgulhava, finalmente, aluga uma casa só para ele e para a sua família. Está  feliz, e faz a sua família feliz, nada lhes falta, o seu orgulho era tanto que não cabia no peito! Paulo vivia bem, era trabalhador, e tinha uma imensidão de amigos, pessoas que o amavam pela sua forte personalidade, bom coração, orgulhoso e teimosia! Ele era respeitado pela sua valentia! A sua gargalhada contagiava qualquer um, o seu modo “gozão” fazia dele uma pessoa inconfundível! E o praticar o bem a nós próprios passava pela educação que ele dava à sua filha.

Os anos passam mas este Homem feito  quer  resolver o seu caso com as justiça! N de vezes sem conta, entre advogados e pesquisas de tribunal da justiça portuguesa ele procura ajuda para obter a sua liberdade! Contou com a ajuda da Embaixada Portuguesa em Espanha e Portugal, entre cartas, e-mails e telefonemas sem conta. Afinal não teve escolha, apesar de ser sua culpa e estar consciente disso! Mas queria ser livre, Gué vivia sem documentos, queria acabar de pagar a sua pena para um dia ter a sua liberdade de volta, sabia que se voltasse sem “negociar”nunca mais de lá sairia,  desta vez tinha uma família para cuidar! O seu sonho era visitar a sua terra onde cresceu. Passou-lhe pela cabeça entrega-se e acabar os meses que faltavam mas algo aconteceu… Tentou! Ninguém o ajudou, pediu ajuda, implorou ajuda por anos e a resposta mais fácil, até mesmo dos que podiam ser mais próximos, afastaram-se! Era sempre mais fácil dizer: -“Ele  que se entregue” !  Foram algumas vezes ouvidas essas palavras! Sentiu-se sozinho nesta batalha muitas vezes, no qual se colocou sozinho também! Palavras dele –“Erros do passsado!”

Com isto, conseguiu ser muito feliz, ter amigos que o amavam, visitar lugares , ter os seus convívios entre amigos e fazer uma vida normal sem faltar nada e tudo por mérito próprio! Tão normal que durante muitos anos se “esqueceu” das suas “cicatrizes”. Paulo tinha um sorriso invejável, transmitia alegria, força e vestia-se com o seu charme de português acompanhado de um corpo invejável de Ginásio.

Gué era muito bom coração, um romântico e eterno apaixonado, embora fosse revoltado também e de ideias fixas!

Com os anos foi sabendo de amigos de infância e adolescência , amigos que continuavam na mesma vida passados 20 anos , amigos que venceram e outros que foram levados pela senhora do destino – a morte.

Paulo tinha mágoas, uma delas repetia vezes sem conta, o seu tio e melhor amigo de infância não o ir visitar, não o entender e não se perguntar o porquê de ele não poder sair do País que o “adoptou”… de nunca ter tido oportunidade de lhe “mostrar” que estava bem e que era um Homem bem sucedido! Durante anos isso foi importante para ele, coisas de “menino” ( … ) E Ainda mesmo não ter sido criado pelo seu pai, após longas pesquisas, encontra-o na Internet, tenta a sua aproximação e conhecê-lo mas…

Ano 2014…torna a ficar doente! Não conta a ninguém…afinal a sua vida recomeçou lá e para ele eram poucos os que  mereciam saber dele, tenta continuar a sua vida normal cheio de vida, desta vez é grave! Tem dias que  Paulo não consegue andar, deixa de fazer desporto, começara a ficar cansado facilmente…perde peso, muito peso e a vida trama-o para sempre! Não pode mais trabalhar, as suas pernas não deixam! Como não tem documentos torna-se complicado facultarem-lhe medicação, mesmo assim Paulo tem conhecimentos por ser uma pessoa boa e sociável,  mas,  neste caso não chega!

Ele tem forças, não desiste e insiste mas tem dias que desespera, dias de muito medo, dias que chora como uma criança…

Tenta falar com o seu pai novamente e desta vez diz que está a morrer, ele quer só conhecê-lo mas sem sucesso foi ignorado pelo mesmo…agora seria tarde de mais…

Gué Faleceu aos 39 anos com DIGNIDADE e todos o seus desejos pedidos, quando o seu coração desistiu de lutar pela vida na noite de 22 de Outubro de 2015 pelas 20:32 no Hospital de Santander em Espanha. Deixou sua filha de 14 anos e a mulher da sua vida, fiel, amiga e companheira de mais de 15 anos, de 40. O seu corpo foi cremado como desejado, em  Espanha com parte das suas cinzas depositadas em lugares que ele gostaria de ter visitado uma ultima vez! Ainda hoje parte das suas cinzas viajam pelo mundo,  conhecendo lugares que nem ele ,nunca, imaginou em vida um dia visitar.

Paulo ainda não tinha 17 anos quando, talvez, achou que era “cool” experimentar …mal sabia  que o futuro lhe iria tirar a LIBERDADE E SAÚDE…afinal só queria ser “fixe” …arrependeu-se quando ainda era novo, tinha bom coração e era bom “menino” mas isso não chegou para AINDA novo estar aqui para contar a sua história.

…NUNCA É TARDE PARA MUDAR,  SER UMA PESSOA DE SUCESSO E DE BEM COM A VIDA, MAS PODE SER TARDE DE MAIS PARA SE VIVER …

“Consequências do passado…” – Dizia Paulo

EM MEMÓRIA DE GUÉ, FICA O TESTEMUNHO REAL , AO QUAL ELE GOSTARIA QUE UM DIA FOSSE PARTILHADO COMO LIÇÃO DE VIDA.

Realizemos então o seu desejo…PARTILHEM!

“A vida é dura, quando pagamos pelos erros do passado (…) Amanhã já não somos nada (…) Sejam felizes!”

(Paulo)

Autor,

Segue-nos:
error

1 thought on “EM MEMÓRIA DE UM DESCONHECIDO”

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *